Dafra Maxsym 400i

A Dafra Motos anuncia a chegada de seu novo maxi scooter Maxsym 400i às concessionárias da marca com preço sugerido de R$ 20.990. O modelo apresentado no Salão Duas Rodas 2013 é um produto desenvolvido em parceria com a fabricante taiwanesa Sym e chega nas opções de cores preta e branca com boas novidades nesse segmento como freios ABS, espaço sob o assento para dois capacetes integrais e acionamento por botão no punho esquerdo, manetes com regulagem de posição, ar quente direcional para as pernas, conexão USB, tomada 12V, painel com informações de manutenções da bateria e do lubrificante, entre outros itens.

O Maxsym 400i vem equipado com motor monocilíndrico de 399,3 cm³, OHC, refrigeração líquida, injeção eletrônica, com potência de 33,3 cavalos a 7.500 rpm e torque de 3,2 kgfm a 5.500 rpm. O câmbio é do tipo automático CVT (sem relações de marchas). O painel de instrumentos mescla elementos analógicos e digitais e o conjunto óptico conta com faróis duplos e lanternas em LED.

O maxi scooter traz freios ABS de série com acionamento combinado (C-ABS), composto de dois discos de 275 mm e duplo cáliper na dianteira e disco simples de 275 mm na traseira. O conjunto de suspensão conta com garfo telescópico com curso de 106 mm na frente e bichoque de 112 mm atrás. As rodas são aro 14 na traseira e aro 15 na dianteira.

O assento do MaxSym 400i possui apoio lombar para piloto e garupa e dispõe de três níveis de ajustes para o condutor. O para-brisa também conta com regulagem manual com variação de 5 cm. O peso anunciado para o novo maxi scooter da Dafra é de 229 kg (peso seco) e o tanque de combustível tem capacidade para até 14,7 litros. Segundo o fabricante o consumo para o modelo é de 25 km por litro, permitindo assim uma autonomia de cerca de 370 km.

Durante a conferência de imprensa do lançamento do Maxsym 400i, em São Paulo (SP), a Dafra também anunciou o lançamento do maxi scooter Cityclass 200i para o segundo semestre de 2014 e para o ano seguinte a linha de scooters deve ganhar um novo produto, possivelmente em uma faixa de cilindrada maior, como é o caso do Maxsym 600i.

[Por:Moto.com.br]

Mundial de MX

Após o cancelamento oficial do Grande Prêmio da Ucrânia devido aos problemas políticos do país, abriu-se uma lacuna no calendário do Mundial de Motocross 2014. A 16ª das 18 etapas do campeonato, programada para o dia 17 de agosto, ainda está sem local definido, e o Catar aparece como principal candidato.

Pode ser ainda que a organização da competição opte por ficar sem esta rodada, encerrando em 17 etapas. No entanto, após a primeira etapa no Catar o país se diz pronto para receber duas etapas do mundial assim como o Brasil e a Itália, que receberão duas etapas neste ano.

Se a prova voltar para o Catar as informações dizem que o circuito de Losail, onde foi realizada a primeira etapa será modificada e contará com mais iluminação para mais um GP noturno.

A Youthstream, organizadora do Mundial, informou que para 2015 já está negociando com novos países para sediar etapas do Mundial, entre eles estão os Estados Unidos, Japão e a Nova Zelândia. Também não está descartada a possibilidade de uma prova em Goa, na Índia.

[Por:Moto.com.br]

 

Rally Transbahia

O Rally Transbahia terminou no último domingo (20/04) com uma grande festa na rampa de chegada em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador (BA). Após três dias de disputas, que tiveram início em Juazeiro, no extremo Norte do Estado, a competição de regularidade fechou com sucesso sua quarta edição ao lado dos competidores de motos, carros, quadriciclos e UTVs. Foram mais de 750 quilômetros de percurso por terrenos e desafios variados.

De acordo com os resultados extra-oficiais, os grandes campeões da edição 2014 foram o capixaba Jomar Grecco (motos / categoria Master), o baiano Pedro Costa (quadris / Graduados) e a dupla formada pelo mineiro Fernando Lage e o navegador catarinense Gustavo Schimidt (carros / Master).

“Quero parabenizar a organização pela prova, que teve todo tipo de terreno. Estarei de volta no ano que vem”, disse Jomar Grecco. Além de garantir seu primeiro título no Transbahia, o piloto somou valiosos pontos no Campeonato Brasileiro de Enduro de Regularidade, no qual está na briga direta pela taça. “Estou muito feliz por ter atingido os resultados planejados.”

A disputa também foi válida como final do Brasileiro da modalidade para os quadriciclos e Pedro Costa, de 18 anos, ficou duplamente feliz. Atual campeão da Novatos, ele estreou na Graduados com vitória e ainda assegurou o título nacional da temporada. “Este é o meu segundo ano no rali e estou muito contente. Não há nada melhor do que ser campeão brasileiro e da classe principal do Transbahia, ainda mais competindo no meu Estado”, comemorou o piloto de Barreiras.

Assim que cruzaram a rampa de chegada, Fernando Lage e Gustavo Schimidt tinham a sensação de dever cumprido. “Gostei muito de participar do evento, que foi bastante técnico. Passamos por lugares inéditos, que não tínhamos experiência, e tudo deu certo. Vamos estar aqui para defender o título em 2015”, concluiu Lage. O Transbahia fez parte ainda do Brasileiro de Rally de Regularidade 4×4 Região Nordeste para os carros.

Organizador do evento, José Carlos Ribeiro da Conceição, o Zé do Rádio, fez um balanço da quarta edição. “Foi muito positivo, conseguimos atender as expectativas dos pilotos e concluir a prova com poucas baixas. O Nordeste é uma região que apresenta facilidades para montar provas off-road, já que as cidades proporcionam geografia e terrenos variados. Vamos continuar trabalhando para melhorar a cada ano”, concluiu.
RESULTADOS (EXTRA-OFICIAIS)

RALLY TRANSBAHIA – FINAL

Motos
Master
1º – Jomar Grecco – 140
2º – Guilherme Cascaes – 129
3º – Carlos Minet – 99
4º – Emerson Loth – 96
5º – Álvaro Amarante – 95

Quadriciclos
Graduados
1º – Pedro Henrique Teixeira Costa – 142
2º – Wescley Dutra – 132
3º – Paulo Roberto Kitagawa – 128

Carros
Master
1º – Fernando Lage / Gustavo Schimidt – 139
2º – Mario Delanda / Matheus Mazzei – 121
3º – Fernando Couto de Oliveira / Jean Paul Bernhardt – 120
4º – Luciano Ferreira Lorenzo / Lobsang Max – 114
5º – Roberto Bontempo / Leonardo Martins – 88

[Por:Moto.com.br]

Yamaha

Procurando criar novos produtos voltados para a mobilidade urbana e que não agridam o meio ambiente, a Yamaha anunciou que colocará em produção, em 2016, dois novos modelos elétricos, uma esportiva e uma off-road. Chamadas de PES1 e PED1 (Passion Eletric Street e Passion Eletric Dirt – paixão elétrica de rua e paixão elétrica off-road), os protótipos foram apresentados ao público durante o Tokyo Motor Show, em novembro do ano passado.

Segundo informações reveladas pela marca durante o salão de carros e motos japonês, a versão de rua PES1, uma naked esportiva, pesará menos de 100 kg. Já o modelo voltado para o uso fora da estrada, a PED1, será um pouco mais leve, com um peso total menor que 85 kg.

Ambas as motocicletas trazem o mesmo chassi central, num estilo monocoque, e são equipadas com um motor DC de corrente contínua sem escovas, movido por uma bateria de íon-lítio. O funcionamento desse tipo de motor está ligado aos princípios de atração e repulsão dos pólos magnéticos, fluxo magnético e indução de tensão elétrica.

As especificações completas ainda não foram divulgadas. No entanto, de acordo com a declaração oficial da Yamaha, “os novos modelos entregarão a mesma emoção que as máquinas atuais, com as vantagens dos propulsores elétricos”.

[Por:UolMotos.com.br]

MV Agusta F3

Apresentada no Salão de Milão 2012, a MV Agusta F3 800 AGO chega em maio às lojas europeias. Limitada a 300 unidades,  a edição especial da F3 800 AGO é uma homenagem ao piloto italiano Giacomo Agostini, 15 vezes campeão mundial, que tornou a pequena fabricante de Varese numa lenda. As novas carenagens trazem as cores da bandeira da Itália, o vermelho, o branco e o verde que dão um toque diferenciado ao design da F3, uma das últimas, senão a última criação do designer Massimo Tamburini, falecido no início de abril.

A MV Agusta F3 AGO traz o mesmo propulsor de três cilindros em linha da versão convencional, que tem 798 cm³ de capacidade e produz 148 cv a 13.000 rpm da versão convencional. Conta também com o sistema MVICS (Motor & Vehicle Integrated Control System, sistema integrado do motor e veículo), presente em outros modelos, que inclui controle de tração em oito níveis, ABS com modo “Race” e com sistema que evita que a roda traseira levante em frenagens fortes na pista (Rear Lift Management, ou RLM).

Peças em fibra de carbono, pedaleiras de alumínio e rodas em alumínio forjado diminuem, segundo a fabricante, o peso total da motocicleta em dois quilos, ficando na marca de 171 kg. Além desses diferenciais, o que deve mesmo fazer a cabeça dos fãs é uma uma placa de prata com o número de série de cada umas das 300 unidades, que serão autografadas pessoalmente pelo próprio Giacomo Agostini, no tanque. De acordo com a fabricante, as vendas iniciam em maio de 2014 e o preço sugerido pela F3 AGO é de €23,990, ou cerca de R$ 74.500 – bem acima do preço da versão standard que, com ABS e toda a eletrônica, sai por €15.310 .

[Por:UolMotos.com.br]

nova Johammer elétrica

É um caracol gigante? Não! É a nova linha de motos elétricas da austríaca Johammer, que se inspirou no desenho de um caracol para desenvolver os modelos J1 150 e J2 200, que serão vendidos no mercado europeu até o fim deste ano.

Ambas são equipadas com motor elétrico de 11 KW de potência e transmissão de uma única velocidade, que segundo a marca é livre de manutenção. A velocidade máxima é de 120 km para as duas motos. O que muda de uma para outra é a autonomia, por conta do tamanho da bateria: são 150 km na J1 (que pesa 159 kg) e 200 km na J2 (178 kg).

A estrutura “caracolesca” feita de alumínio é apenas uma das sacadas modernosas da Johammer. Os freios, por exemplo, contam com sistema para recuperação de energia (recarregando a bateria), enquanto o painel de instrumentos foi substituído por displays nos retrovisores que mostram o velocímetro e a carga da bateria.

Andar de caracol moderno, no entanto, não será nada barato: os preços anunciados são de 23 mil euros na J1 (cerca de R$ 71 mil) e 25 mil euros na J2 (aproximadamente R$ 77.500).

[Por:UolMotos.com.br]

Maxsym 400i

Apresentada no Salão Duas Rodas do ano passado, a scooter Maxsym 400i foi oficialmente lançada na noite desta segunda-feira (14) em São Paulo. Maior e mais potente que o conhecido Citycom 300i, o novo modelo da parceria Dafra/SYM chega com vocação para pequenas viagens. Com preço sugerido de R$ 20.990, já com ABS, ela começa a ser vendida na próxima semana.

Além do valor agressivo (a rival Suzuki Burgman 400 sai por volta de R$ 30 mil), a Maxsym chama a atenção por uma série de características. A começar pelo design bastante atraente, em especial pelo conjunto ótico com LED’s tanto nos faróis dianteiros (com feixes de iluminação diurna) quanto nas lanternas traseiras. Apesar de mais longa que a irmã Citycom, a nova scooter ter perfil esguio para não “empacar” no trânsito. E um acabamento muito bem cuidado e atencioso nos detalhes, como podemos perceber pelos plásticos de boa qualidade e pela forração de carpete no compartimento sob o banco, que acomoda dois capacetes integrais e ainda oferece iluminação.

Terceiro modelo da taiwanesa SYM produzido pela Dafra em Manaus (AM), a Maxsym vem equipada com motor monocilíndrico de quatro válvulas e injeção eletrônica. Refrigerado a líquido e deslocando 399,3 cc, o propulsor é capaz de produzir 33,3 cv de potência a 7.500 rpm e 3,2 kgfm de torque a 5.500 rpm. O câmbio é automático do tipo CVT como na maioria dos scooters. E os freios a disco nas duas rodas (duplos na dianteira) contam com o sistema combinado de atuação, por comando hidráulico. Desta forma, quando detecta uma frenagem um pouco mais forte na roda traseira, o recurso aciona também o freio dianteiro (numa proporção de 70/30%) de modo a parar a scooter de maneira mais equilibrada e segura. Para completar, o ABS é item de série e as rodas grandes (aro 15″ na dianteira e 14″ na traseira) garantem maior estabilidade na estrada e segurança em vias esburacadas.

Maxsym 400i
O conforto também é ponto alto. Além da posição de pilotagem elevada, a Maxsym tem um assento generoso para o condutor e o garupa, oferecendo inclusive encosto para os dois ocupantes – sendo o do piloto ajustável em três níveis de distância. A ampla bolha para-brisa também pode ser regulada em 5 cm para cima. O quadro de instrumentos lembra o de um carro, com dois mostradores bem grandes para velocímetro e conta-giros, além de luz espia para troca de óleo e voltímetro da bateria.

Itens de comodidade vão desde três porta-objetos até um sensor crepuscular para acendimento automático dos faróis ao escurecer, passando por uma saída de ar quente à frente do piloto, para dias frios. No porta-objetos principal, fechado com chave, há uma tradicional tomada 12V e também uma tomada USB, bastante útil para carregar o celular e demais eletrônicos. Existe também um freio de estacionamento (uma vez que o câmbio CVT não permite que a moto fique engatada) e um prático botão de abertura do banco (sem necessidade de desligar a moto para abri-lo).

Oferecida nas cores preta e branca pérola, a nova Maxsym 400i tem tanque para 14,7 litros de gasolina – suficiente para uma autonomia de cerca de 380 km com consumo médio de 25 km/l, segundo a Dafra. A expectativa da marca é vender 1.000 unidades no primeiro ano de comercialização. O próximo lançamento da empresa será o scooter Cityclass 200i, que chega no segundo semestre.

[Por:Moto.com.br]

« Previous Entries  Next Page »