Quando o assunto é agilidade no trânsito urbano, logo pensamos na “fluidez” de uma motocicleta. Aliado a rapidez, a moto hoje precisa cumprir outra função, a de poluir menos o meio ambiente.

Construída sobre a trail XTZ 125, a linha 2009 da XTZ 125 X traz como diferenciais rodas aro 17 polegadas e pneus de perfil esportivo, principal característica do conceito motard
Com estes atributos, a moto da Yamaha oferece grande mobilidade ao motociclista e também já está de acordo com a nova lei de emissão de poluentes (Promot 3).

Em comparação a sua irmã on/off-road, a mini motard de 125cc conta com motor e tampas laterais pintadas em preto. Na parte dianteira, está o face-lift pelo qual passou a XTZ 125X.

Chama a atenção a nova carenagem do farol, bastante eficiente e seguindo o design da linha WR (modelos off-road profissionais). Outras pequenas mudanças na linha 2009 são a proteção do escapamento, agora com acabamento também em preto, e os adesivos na cor laranja.

Como diferenciais, a 125 X tem ainda protetores de bengala em plástico rígido, escapamento e balança pintados em preto fosco. Além disso, a “X” apresenta lentes de pisca arredondadas e translúcidas herdada da XTZ 250 X e pára-lama mais curto.

Suspensão e freios

A ciclística permaneceu inalterada na linha 2009. O quadro é um duplo berço, com motor fazendo parte da estrutura. Na dianteira, o garfo telescópico convencional tem 180 mm de curso, assim como a suspensão traseira monoamortecida. Ambas absorvem tranquilamente as irregularidades do piso. A representante do conceito “X” da Yamaha está calçada com pneus Pirelli MT 75, de perfil mais esportivo, que ajuda a moto a “grudar” no chão.

Assim, a pequena notável é destinada a um público jovem, que gosta de aventuras pela selva de pedra. Como nas supermotards de maior cilindrada, a XTZ 125 X impressiona pela capacidade de fazer curvas e mudanças rápidas de direção. Em comparação a uma moto street, a 125 X leva algumas vantagens: a moto é mais alta; o piloto fica mais ereto e mais “encaixado” sobre a moto, que conta com banco estreito e tanque de 10,6 litros.

O conjunto de freios permaneceu o mesmo da versão anterior. Na dianteira, a XTZ 125 X tem freio a disco de série — disco de 220 mm de diâmetro com pinça de dois pistões. Na traseira, um tambor de 130 mm de diâmetro. Em função do baixo peso da moto (105 Kg a seco), o sistema de freios dá conta do recado. Com destaque para o dianteiro, que faz a moto diminuir rapidamente a velocidade.

Motorização

Para atender a legislação antipoluente, a mini motard ganhou um novo carburador Mikuni BS 25 com acionamento do segundo estágio a vácuo, válvula solenóide de “cut-off” e um sensor de posição do acelerador (TPS – Throttle Positioning System).

O carburador é o mesmo que equipa a street YBR 125 Factor e também a trail XTZ 125. Na prática, as alterações serviram para oferecer respostas mais rápidas e menor índice de emissões, porém com menos potência e torque. Além disso, a linha XTZ 125 X 2009 ganhou um novo catalisador.

Lançada no final de 2007, a moto está equipada com um motor monocilíndrico de quatro tempos, de 123,7 cm³, comando simples no cabeçote com duas válvulas e refrigeração a ar. Agora a linha XTZ X 2009 gera uma potência máxima de 10,9 cv a 7.500 rpm e torque máximo de 1,11 kgf.m a 6.000 rpm.

O propulsor, de mecânica bastante simples, chega a rodar 40 Km com um litro de gasolina. Em função do novo catalisador, a moto perdeu um pouco de potência e torque (anteriormente eram 12,5 cv e 1,19 kgf.m, respectivamente), porém o produto está de acordo com sua proposta urbana. Como agilidade não leva em consideração a velocidade final, a 125 X da Yamaha não passa dos 110 Km/h. Porém, na prática, a moto se “esquiva” bem entre os carros.

Disponível apenas na cor preta, a XTZ 125X K (com partida a pedal) tem preço sugerido de R$ 7.231,00.

Ficha Técnica

Motor: Monocilíndrico, OHC, 2 válvulas, refrigerado ar
Capacidade cúbica: 123,7 cm³
Potência máxima: 10,9 cv a  7.500 rpm
Torque máximo (declarado): 1,11 kgf.m a 6.000 RPM
Câmbio: Cinco velocidades
Transmissão final: Por corrente
Alimentação: Carburador Mikuni BS 25
Partida: Elétrica
Quadro: Berço semiduplo
Suspensão dianteira: Garfo telescópico com 180 mm de curso
Suspensão traseira: Balança monoamortecida com links e com 180 mm de curso
Freio dianteiro: Disco de 220 mm de diâmetro
Freio traseiro: Tambor de 130 mm de diâmetro
Pneus: 100/80 – 17 MT 75 (d) e 110/80 – 17 MT 75 (t)
Comprimento: 1.965 mm
Largura: 810 mm
Altura: 1.100 mm
Distância entre-eixos: 1.345 mm
Altura do assento: 815 mm
Peso a seco: 105 Kg
Tanque de combustível: 10,6 litros
Cores: Preta
Preço sugerido: R$ 7.231,00

Aldo Tizzani

Fotos: Renato Durães.

[Por:Agência Infomoto]