Black Jack

Para quem é amante do mundo moto e esteve no Salão das Duas Rodas 2009 com certeza vai se lembrar das exóticas motos expostas no estande da MVK. Uma custom batizada de Ghost e uma bobber – tipo de customização – chamada Black Jack, modelo que atraiu olhares curiosos durante a feira de motocicletas. As motos são fabricadas pela chinesa Regal Raptor e vendidas no Brasil pela Tecmoto (detentora das marcas MVK e Regal Raptor).

Antes de conhecer melhor a Black Jack é importante dizer que o modelo foi idealizado para agradar primeiramente aos olhos e não para ser uma escolha racional de motocicleta. Ela não é prática, rápida ou versátil. Principalmente pelo seu maior diferencial, a ausência de suspensão traseira, chamada de hard tail, o popular rabo duro.

É impossível levar garupa e o piloto tem um banco individual amortecido apenas por uma mola parecida com a de uma mountain bike. Logo, acelerar em vias esburacadas e acomodar bagagens para longas viagens não combinam com a Black Jack. Mas se falta praticidade, sobra estilo. Tudo no modelo é cheio de estilo, dos comandos avançados até o tanque de óleo. Já o tanque de combustível tem apenas 9 litros e não tem trava, tudo para manter o estilo bobber. Em função do design o piloto da Black Jack vai cansar de ouvir elogios. E acredite, a moto é ainda mais bonita ao vivo.

Pilotando a “magrela“

Diferente da maioria das motocicletas custom, que usam o tradicional “V2”, o modelo chinês é equipado com um propulsor de dois cilindros paralelos e 320 cm³ de capacidade. Alimentado por carburador rende quase 23 cv de potência máxima a 8.000 rpm.  Apesar das diferenças, o propulsor se mostrou elástico e adequado ao tipo de uso da moto.

O sistema de freios da Black Jack é formado por três discos do tipo margarida – duplo com 300 mm na dianteira e simples de 240 mm na roda traseira – e dotado de linhas de freios feitas em malha de aço (Aeroquip). Infelizmente, a frenagem é limitada em função da qualidade dos pneus, de origem chinesa. Na chuva a atenção deve ser redobrada.

Black Jack

Parado no semáforo com a Black Jack um motoboy disse: “Magrela não? Só tem o quadro e o motor.” Fruto do seu estilo minimalista e beleza estética, a moto oferece baixo peso. Com 160 kg, a Black Jack pode não ser uma “magrela”, mas perto de uma Honda Shadow e seus 247 kg, parece um brinquedinho em duas rodas.

Outro item que literalmente chama atenção é o ronco grave que sai dos escapamentos. Em marcha lenta parece calmo, mas basta girar o acelerador para o som ser propagado e, consequentemente, a moto abrir caminho entre os carros.

E falando em automóveis, a Black Jack traz um guidão alto e largo. Por isso é bom tomar muito cuidado nos deslocamentos urbanos ao rodar pelo corredor. Em estrada aberta a moto ganha velocidade fácil e anda com desenvoltura até os 110 km/h, depois disso o velocímetro entra em sua faixa vermelha e o conforto fica prejudicado.

No Brasil esta moto não tem concorrência direta. Quem mais se aproxima são as custom 250 como a Kasinski Mirage e Sundown V-Blade. Atraindo olhares de todos os lados não é difícil se imaginar na pele de Denis Hopper no filme Easy Rider (Sem Destino). Para quem quer fugir da mesmice e se destacar no trânsito sem precisar trocar nenhuma peça, a Rebel Raptor Black Jack é uma boa opção. Uma bobber original de fábrica que custa R$ 15.580.

Black Jack

Estilo Bobber

O estilo Bobber surgiu logo após o final da segunda guerra mundial e tem como principal característica o minimalismo. Na época a ideia era baixar o peso das motos e para isso era necessário retirar algumas peças. Alguns modelos não possuem nem mesmo paralama dianteiro. O guidão é alto e o tanque de gasolina é normalmente trocado por um menor. O paralama traseiro é reduzido e o quadro é rígido, sem suspensão traseira (rabo duro). Atualmente são usados vários modelos como base. Um dos preferidos dos amantes do estilo é a Harley-Davidson 883.

Ficha Técnica:
Motor: Dois cilindros em linha, duas válvulas por cilindro, OHC, refrigeração líquida
Capacidade cúbica: 320 cm³
Potência máxima: 22,8 cv a 8.000 rpm
Torque máximo: N.D
Alimentação: Carburador
Capacidade do tanque: 9 litros (1 litro reserva)
Câmbio: Cinco marchas
Transmissão final: Corrente
Suspensão dianteira: Garfo telescópico
Suspensão traseira: Hard Tail, com amortecimento no assento.
Freio dianteiro: Disco duplo com 300 mm e duplo pistão.
Freio traseiro: Disco simples 240 mm e duplo pistão.
Chassi: Berço duplo
Dimensões (C x L x A): 2.400 mm x 830 mm x 1.150 mm
Altura do assento: 670 mm
Altura mínima do solo: N.D
Entre-eixos: 1.680 mm
Peso seco: 160 kg
Cores: preta
Preço público sugerido: R$ 15.580,00 (posto São Paulo, sem frete e seguro)

FOTOS: Gustavo Epifanio

Lucas Rizzollo

[Por:Moto.Com.br]

MVK busca novos parceiros para crescer

MVK

A MVK já investiu cerca de R$15 milhões no Brasil. Neste ano a empresa prepara um novo aporte de capita – R$ 32 milhões -, para a implantação de sua fábrica no Polo Industrial de Manaus (AM). Para acompanhar este crescimento, a empresa planeja ampliar significativamente sua rede de revendedores no Brasil. O investimento inicial necessário para abertura de uma revenda MVK é de, aproximadamente, R$ 400 mil, sendo que o retorno do investimento acontece normalmente entre oito meses e um ano.

Em seu portifólio, a empresa comercializa seis motos (Fenix, Black Star, Street, Super, Fox e BRX 140), cinco modelos de quadriciclos (Simba, Sport 150, X-Cape, Big Force e Jurassic). A MVK Motos também a é representante exclusiva no Brasil da marca Regal Raptor. Informações, acesse: www.mvkmotos.com.br

[Por:Moto.com.br]

MVK Spyder: Estilo Easy Rider em 270 cc

MVK Spyder

O filme Easy Rider (Sem Destino), estrelado por Peter Fonda, Dennis Hopper e Jack Nicholson, completou 40 anos em 2009. Ícone entre os motociclistas, a película transformou a motocicleta em símbolo de liberdade e ousadia sobre duas rodas. Para testar a exótica MVK Spyder é preciso “incorporar” a irreverência dos hippies dos anos 60. Construída no estilo chopper pela marca chinesa Regal-Raptor, o modelo conta com garfo bastante alongado e grande ângulo de cáster, muitos cromados, tanque decorado com labaredas (flames) prateadas, freio a disco em ambas as rodas e motor de dois cilindros paralelos de quase 21 cv de potência. O preço sugerido é de R$ 15.580.

À primeira vista, a MVK Spyder parece que foi feita de forma artesanal. A moto impressiona pelo comprimento – 2.580 mm – e pela grande distância entre-eixos – 1.880 mm. Só para comparar, a Harley-Davidson Rocker tem 1.760 mm e a Yamaha Midnight Star 950 conta com 1.685mm. Os números mostram dois lados de uma mesma moeda, já que com esta configuração a moto roda com mais desenvoltura em estradas retas e bem pavimentadas. Em trechos muitos sinuosos, manobras em baixa velocidade ou para o simples ato de estacionar, o motociclista sofre um pouco para realizar as operações.

Quando o piloto sobe na Spyder e liga o motor, o som grave que se propaga pelos dois escapamentos – um cano de cada lado – lembra as motos de maior cilindrada e potência. Com o modelo em movimento, braços e pernas ficam bem à frente. Isso em função da adoção de um guidão reto (T-Bar) e também pelas pedaleiras avançadas, que em curvas muito fechadas podem raspam no asfalto. Já no trânsito urbano – piso irregular e corredores apertados, a maneabilidade desta moto fica muito prejudicada.

Motor e ciclística

A MVK Spyder está equipada com motor de dois cilindros paralelos, quatro tempos, comando simples no cabeçote (OHC), que gera 20,8 cv a 8.000 rpm de potência máxima e torque máximo de 1,85 kgf.m a 6.500 rpm. Com 270 cm³, 180 kg a seco, falta um pouco mais vigor ao propulsor fabricado pela chinesa Regal-Raptor, que gosta de trabalhar em médias e altas rotações. A configuração do motor de dois cilindros gêmeos lembra a utilizada nas saudosas Honda CB 400/450, na década de 80. A alimentação anda é feita por dois carburadores. Outro ponto negativo, além do baixo desempenho, é a vibração.

No conjunto ciclístico, a moto traz na parte dianteira garfo telescópico de 120 mm de curso e dois discos de freio de 240 mm de diâmetro. Na traseira, balança com duplo amortecimento com 60 mm de curso, que ficam instalados sob a Spyder –similar ao utilizado em alguns modelos Harley-Davidson – e freio a disco também de 240 mm de duplo pistão.

MVK Spyder

A chopper da MVK apresenta suspensão mais macia que as tradicionais custom, isso em virtude de seu “exagerado” ângulo de cáster. No caso específico da Spyder, quanto mais rígida a suspensão dianteira, mais susceptível a torção nas bengalas. O conjunto traseiro se apresentou eficiente, de acordo com sua proposta.

Na avaliação, o acionamento do freio dianteiro se apresentou um pouco “duro” e os pequenos freios a disco apresentaram comportamento “borrachudo”, porém temos que levar em consideração que a moto testada tinha pouquíssimos quilômetros rodados. Já o freio traseiro teve o desempenho esperado para uma motocicleta da categoria. Apesar de sua origem chinesa, a MVK Motos optou em calçar o modelo com pneus Pirelli MT 66, nas medidas 80/90 – 21 (D) e 160/80 – 16 (T). Ou seja, pneus de qualidade refletem em um maior equilíbrio e melhor dirigibilidade, além de auxiliarem o conjunto de suspensão.

Desenho

O estilo desta chooper é do tipo “ame ou odeie”: garfo à frente, muitos cromados, pintura em flames, rodas em liga leve e baixa altura do assento (apenas 660 mm). Exótica, a moto conta com banco em dois níveis e sissy-bar (encosto para a garupa). Neste questio, piloto e passageiro rodam bem acomodados.

Os comandos são simples e bem posicionados. O painel de instrumentos, composto por velocímetro, hodômetros total e parcial, além das lâmpadas-espia – ficam sobre o tanque de combustível de 12,5 litros. Segundo a MVK, a Spyder faz 23 km/l e, consequentemente, oferece uma autonomia de cerca de 280 km. Segundo a MVK Motos, a Spyder modelo 2010 deverá ter motor com injeção eletrônica. Sua capacidade cúbica vai ser aumentada para 320 cm³ e a cavalaria, para 22,8 cv de potência máxima. A marca ainda revela planos de montar o modelo em sua futura planta em Manaus (AM). Porém isto só deve acontecer quando a fábrica for instalada, o que, segundo a marca, deve acontecer neste primeiro semestre.

painel da MVK Spyder

FICHA TÉCNICA:
MOTOR: OHC (comando de válvulas no cabeçote), 4 tempos, 2 cilindros paralelos, 2 válvulas por cilindro, refrigeração líquida.
CAPACIDADE:  270 cm³
POTÊNCIA MÁXIMA:  20,8 cv a 8.000 rpm
TORQUE MÁXIMO: 1,85 kgf.m a 6.500 rpm
DIÂMETRO X CURSO: 57 mm x 53 mm
TAXA DE COMPRESSÃO: 10.2:1
CÂMBIO: Cinco velocidades
QUADRO: Berço duplo em aço
TRANSMISSÃO FINAL:  Corrente
ALIMENTAÇÃO: Carburador
SUSPENSÃO:
DIANTEIRA: Garfo telescópico de 37 mm, com 120 mm de curso
TRASEIRA: Balança com duplo amortecimento do tipo softtail, com 60 mm de curso
FREIOS:
DIANTEIRO: Disco duplo com 240 mm e duplo pistão
TRASEIRO: Disco simples com 240 mm e duplo pistão
PNEUS:
DIANTEIRO: 80/90 – 21
TRASEIRO: 160/80 – 16
COMPRIMENTO: 2.580 mm
LARGURA: 840 mm
ALTURA DO ASSENTO: 660 mm
ALTURA TOTAL: 1.110 mm
DISTANCIA ENTRE-EIXOS:  1.820 mm
TANQUE DE COMBUSTÍVEL:  12,5 litros
PESO A SECO: 180 kg
COR: Preta
PREÇO: R$ 15.580

Fotos: Mario Villaescusa

[Por:Moto.com.br]

MVK Motos

A MVK Motos, marca que atua desde 2002 no mercado brasileiro de motocicletas e quadriciclos, tem uma dica de presente original para a criançada neste Natal. A empresa está comercializando no País um quadriciclo especialmente desenvolvido para atender as crianças com idade de 4 a 12 anos. Trata-se do SIMBA, um quadriciclo divertido e  versátil que pode ser uma ótima opção para as férias em sítios ou praias

Equipado com motor monocilíndrico de 50cc, o SIMBA vem equipado com freios a disco nas rodas traseiras, partida elétrica, que permite que qualquer criança ligue o veículo, e sistema de transmissão automático, que também facilita a condução por pilotos de todas as idades. Com apenas 65 Kg, e dimensões reduzidas (somente 154 cm de comprimento, 86 cm de largura e 67 cm de altura do assento ao solo), o modelo é fácil de ser transportado e manobrado.

Para os iniciantes, a MVK instalou um dispositivo de segurança que, acionado por um adulto, desliga imediatamente o motor. O SIMBA está disponível nas cores azul, vermelho, amarelo e camuflado (simulando o visual de um veículo militar). O modelo tem preço sugerido de R$ 3.780,00.

[Por:Moto.com.br]

mvk motos

A MVK Motos aproveitou o Salão Duas Rodas para anunciar um investimento de R$ 32 milhões na construção de uma fábrica de motocicletas e quadriciclos em Manaus e ainda apresenta diversos novos modelos que fazem parte da sua linha 2010 de produtos. Outra novidade para o consumidor é uma promoção especial, durante os seis dias da feira, com descontos de até 30% nos preços de motos e quadriciclos da marca.

A Embramoto, nova empresa criada pelos sócios brasileiros da MVK Motos, vai produzir motocicletas e quadriciclos da marca MVK, em Manaus (AM), a partir de março de 2010. Com capital 100% nacional, a Embramoto vai investir cerca de R$ 32 milhões na nova fábrica, que deverá produzir cerca de 7.800 veículos no primeiro ano e 12.300 unidades no segundo ano.

Nestes dois primeiros anos de atividades, 80% da produção será de motocicletas e 20% de quadriciclos. “Com a produção local, os preços dos produtos MVK no mercado brasileiro terão um preço mais estável, que não dependerá mais da oscilação do dólar e também serão mais acessíveis para o consumidor. Nossa expectativa é que as motos e quadriciclos MVK feitos em Manaus custem até 15% a menos do que os modelos importados”, afirma Guillermo Altrichter, diretor da MVK Motos que agora também assume a direção da Embramoto.

De acordo com o executivo, o modelo Fox, o mais barato da marca, deverá ter seu preço reduzido dos atuais R$ 4.280,00 para cerca de R$ 3.580,00. Já os modelos Fenix Gold e Spyder produzidos em Manaus terão preço de R$ 11.280,00 e R$ 15.280,00, respectivamente.

Outro ponto importante na produção local, segundo o diretor, é um aumento sensível na qualidade. “Um dos nossos objetivos com a nova fábrica é controlar melhor a qualidade dos produtos. Para tanto, teremos equipes especializadas na China, controlando os componentes importados, e um departamento responsável pela gestão da qualidade, que ficará incumbido de garantir que todos os componentes nacionais e importados atendam as normas técnicas e padrões de qualidade exigidos pela legislação brasileira”. Altrichter salienta que a Embramoto se comprometeu a obter a certificação ISO 9001 ainda no primeiro ano de operação da fábrica.

As motocicletas e quadriciclos da MVK produzidos em Manaus cumprirão o índice de nacionalização previsto pelo Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus). Com isso, cada modelo montado na capital do Amazonas terá pelo menos 60 processos de trabalho nacionalizados. Isso significa que itens como baterias, pneus, manoplas, suportes para fixação, pastilhas de freios, sapatas e refletores, entre outros, serão fabricados no Brasil por fornecedores que já estão sendo desenvolvidos.

“Vamos aproveitar a nacionalização obrigatória de alguns componentes para elevar a qualidade dos nossos produtos”, revela o diretor da Embramoto. O executivo lembra que o projeto de produção nacional da MVK foi aprovado pelo Suframa recentemente.  Um dos próximos passos, agora, será escolher o local da planta. “Nossa intenção é encontrar um galpão com cerca de 5 mil metros quadrados para instalar a fábrica”, informa.

Na nova planta, que deverá criar 61 empregos diretos até o final do primeiro ano de operação, será construída uma linha de montagem para as motocicletas, outra para os quadriciclos, uma linha exclusiva para os motores e, ainda, uma área para testes de equipamentos diversos, como freios, luzes, alinhamento de rodas e calibragem de velocímetros. “Além disso, neste espaço também vamos realizar testes de velocidade, consumo de combustível e emissão de poluentes”, afirma Guillermo.

Em Manaus será produzida quase toda a linha de motocicletas MVK vendida hoje no mercado brasileiro, que inclui os modelos Fox, Super, Street, Black Star, Fenix, Spyder e Fenix Gold. As motocicletas Spyder e Fenix Gold foram lançadas recentemente no País e pertencem à marca Regal-Raptor, da qual a MVK é representante exclusiva no Brasil.

A produção local dos modelos Spyder e Fenix Gold poderá ter uma importância estratégica e decisiva para os planos de crescimento da Embramoto. “Estamos em negociações avançadas com a Regal-Raptor para que, num futuro próximo, o Brasil torne-se exportador das suas motocicletas para os demais países da América Latina a partir da planta de Manaus”, informa Guillermo Altrichter.

A nova fábrica também produzirá dois modelos de quadriciclos. Um deles é o conhecido Sport 150, voltado para o lazer, que atualmente é comercializado no País como importado. O outro quadriciclo será um veículo utilitário com motor de 150 cc, ainda a ser definido.

A rede MVK, atualmente com 36 concessionárias, deverá ser ampliada até o final do próximo ano para acompanhar o crescimento de vendas da marca. A meta é atingir um total de 60 revendas até dezembro de 2010 e, ainda, aumentar a presença da empresa em algumas regiões.

A MVK possui concessionárias nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Norte e Maranhão, além do Distrito Federal. “O Nordeste, por exemplo, é uma das nossas prioridades na estratégia de ampliação da rede”, revela Guillermo Altrichter.

[Por:Moto.com.br]

Para manter o mercado aquecido em meio à crise financeira global, a MVK Motos do Brasil, em parceria com a fábrica da Maverick na Argentina, anunciou a decisão de continuar vendendo a linha 2008 modelo 2009 de motocicletas e quadriciclos com os preços anunciados antes da alta do dólar.

Até o dia 31 de outubro ou enquanto durarem os estoques, as motocicletas e os quadriciclos serão comercializados com os valores relacionados na tabela abaixo.

Além disso, o consórcio da MVK Motos do Brasil continua com os mesmos valores e parcelas de 36 a 80 meses.

Tabela de preços MVK:

Motos
Fenix 200: R$ 9.300,00
Black Star 150: R$ 6.380,00
BRX 250: R$ 7.280,00
BRX 140: R$ 4.980,00
Street 150: R$ 5.400,00
Super 125: R$ 4.900,00
Fox 110 / Fox Rosa: R$ 4.680,00
Fenix Gold: R$ 11.800,00
Spyder: R$ 13.800,00

Quadriciclos
Jurassic 300: R$ 13.800,00
X-Cape 200: R$ 8.500,00
Sport 110: R$ 6.500,00
Sport 150: R$ 7.500,00
Big Force I 250: R$ 12.800,00
Big Force II 250: R$ 12.800,00

[Por:Moto.com.br]

Para conquistar o público feminino cada vez mais expressivo no segmento de motocicletas, a MVK Motos resolveu ampliar a variedade de cores da Fox 110, oferecendo às motociclistas a opção cor-de-rosa.

Exceção feita à tonalidade inédita, as demais características do modelo Cub foram mantidas. A começar por seu motor, um monocilíndrico de 110 cm³ que desenvolve 8,2 cv de potência a 8.000 rpm.

A pequena cor de rosa dispõe de freio a disco ventilado na dianteira, partida elétrica, rodas de liga leve e porta-objetos sob o banco. Além das informações básicas, o painel de instrumentos dispõe de indicador de marchas digital e mostrador do nível de combustível.

Equipada com pneus aro 17 na dianteira e 14 na traseira e transmissão de quatro marchas, esta cub atinge uma média de consumo de 46 quilômetros por litro de gasolina, segundo o fabricante.

O preço público sugerido da Fox 110 é de R$ 4.680, sem frete e seguro.

[Por:moto.com.br]

« Previous Entries  Next Page »