A Citycom 300i chegou ao mercado brasileiro no final de 2010 como um lançamento oportuno da Dafra para atender os anseios dos motociclistas que até então estavam carentes de scooters de médio e grande porte. Produzida no país por intermédio de uma parceria entre a empresa brasileira e a marca taiwanesa SYM, o modelo tem como diferenciais o porte robusto, o design mais elegante e o motor mais potente que as scooters compactas.

Por causa dessas e outras qualidades a maxi scooter da Dafra vem conquistando cada vez mais espaço no mercado. Segundo Vanor Henriques Neto, gerente da concessionária Scooterplace, tradicional loja especializada em scooters da zona sul de São Paulo, as vendas da Citycom 300i vem se destacando por se manterem muito bem desde o seu lançamento e pelo perfil do seu consumidor, profissionais liberais das classes A e B. “A Citycom 300i é um modelo que sai bastante. Vendemos cerca de 40 unidades por mês”, ressalta.

A versatilidade para encarar o tráfego nas grandes cidades e o câmbio automático CVT são outros aspectos importantes e que atraem novos consumidores para a maxi scooter da Dafra. Para o motociclista Gorki Halluli, que pilota scooters há 40 anos e é um profundo conhecedor desse estilo de moto, a Citycom 300i é a sua escolha definitiva. Ele acaba de comprar a sua segunda maxi scooter da Dafra e diz que está mais satisfeito do que nunca.

Como está aposentado, Gorki Halluli aproveita sua maxi scooter em tempo integral, desde para andar com mais agilidade nas ruas e avenidas de São Paulo até para fazer pequenas viagens para lugares como Campos do Jordão e Santos. “A carenagem envolvente da Citycom protege de tudo, da sujeira, lama e ela ainda tem boa capacidade de carga sob o banco. Com a rede no lugar garupa também levo amarrado a minha capa de chuva e botas.”

Apesar dos rumores sobre a possibilidade de outras marcas lançarem suas maxi scooters no Brasil, Gorki Halluli diz que continua firme com a sua Citycom 300i por causa da boa relação custo-benefício. “Não tem comparação com nenhuma moto nessa faixa de preço, com boa qualidade e manutenção simples. Os meus amigos que possuem outros tipos de motos também estão comprando maxi scooter.”

A Dafra Citycom 300i possui motor monocilíndrico com refrigeração líquida que desenvolve 23 cavalos de potência a 7.500 rpm e torque de 2,4 kgf.m a 5.500 rpm. O câmbio é do tipo automático CVT, com freios dianteiro e traseiro a disco e rodas aro 16. O preço sugerido para o modelo é de R$ 13.490.

[Por:Moto.Com.br]

É oficial. Os executivos da Daimler, empresa proprietária da Mercedes-Benz e também da smart, confirmaram para 2014 a produção do escooter. Apresentado em 2010 durante o Paris Motor Show, o scooter elétrico da smart (ambos se escrevem assim mesmo, com letras minúsculas) recebeu carta branca para ser fabricado em série na última semana.

Mesmo com chegada prevista apenas para daqui a dois anos, os projetos sustentáveis da marca alemã começam a tomar as ruas bem antes. Ainda este ano, a fabricante lança a bicicleta elétrica ebike e a versão elétrica do super compacto fortwo – ambos mostrados em Paris ao lado do escooter.

Assim como acontece com todo modelo, a versão de linha do escooter também deve apresentar algumas diferenças no design quando chegar ao mercado. Entretanto, espera-se que o modelo não mude muito em relação ao conceito apresentado na França.

Design jovem

Embora esta seja o argumento de dez entre dez marcas para justificar seus projetos, no caso do conceito escooter ela se aplica bem. O visual limpo cria a impressão de que cada espaço foi aproveitado para torná-lo o menor e mais funcional possível. O assento da garupa, por exemplo, é escamoteável e fica acomodado dentro do corpo do scooter. O banco do passageiro pode ser ainda trocado por um pequeno bagageiro. Abaixo do assento ainda há um compartimento capaz de acomodar dois capacetes quando a garupa está “desdobrada”.

As linhas minimalistas estão presentes desde o farol, que se resume a uma faixa estreita de LEDs, parcialmente coberta pelo protetor do painel, até as rodas. Ambas presas por monobraços. Os espelhos retrovisores, afixados nas pontas das manoplas ajudam a deixá-lo mais compacto e os painéis laterais translúcidos acendem e funcionam como luzes de seta.

No esquema de cores, foi mantido o mesmo padrão da versão alternativa do fortwo. Os tons de branco e verde também foram empregado na ebike para consolidar o conceito de veículos ecologicamente corretos. Ainda sobre a pintura, o escooter conta com um escudo preto na frente, composto por pequenos hexágonos que criam um efeito degradê.

Devagar e sempre

Muito se fala hoje sobre veículos elétricos com potência semelhante aos seus equivalentes movidos a combustível. Entretanto, esta não é a proposta da smart. O escooter tem motor de 4kW, alimentado por uma bateria de íons de lítio de 48 Volts com autonomia para rodar até 80 Km. A potência é suficiente para levá-lo a uma velocidade máxima de 45 Km/h. O scooter da smart pode ser recarregado em uma tomada convencional (110/220 V) por três a cinco horas. Além disso, o modelo também conta com células solares na parte dianteira, que ajudam a carregar a bateria.

Montado sobre um quadro de aço e alumínio, o escooter pode deixar a desejar no quesito desempenho, mas quando se fala em tecnologia, o pequeno scooter faz inveja em muita moto grande. Os freios regenerativos – que lembram os usados na Fórmula 1 e tem a função de armazenar a energia cinética gerada pela frenagem na bateria – contam também com o auxílio do ABS.

Um airbag especial também foi instalado e os retrovisores contam com sistemas de detecção de ponto cego. Equipamento que consiste em uma luz triangular piscante na ponta de cada espelho e sinaliza quando há outro veículo se aproximando pela pista ao lado e auxilia nas mudanças de faixa. O sistema é muito parecido com o adotado nos carros de luxo. Benefícios de se ter a Mercedes-Benz como marca irmã.

Smart e IPhone

Trocadilhos a parte, o maior trunfo da marca alemã ao conceber o escooter foi a sua interação com smatphones como, por exemplo, o iPhone. O celular é colocado em um console central e funciona como chave de ignição e também desativa as travas antifurto. Um aplicativo especial transforma o aparelho no painel de instrumentos do scooter, exibindo velocidade, autonomia da bateria, além de permitir o uso do GPS.

Aliás, o escooter pode ser rastreado por meio de outro aplicativo que trabalha com o localizador por satélite, impedindo que o piloto esqueça aonde o estacionou. Fora isso, o motociclista também à distância o aquecimento das manoplas, fazendo com que o pequeno smart já esteja pronto para encarar os dias mais frios mesmo antes de começar a pilotá-lo. Não se sabe quantas dessas inovações estarão presentes na versão produzida em série, mas uma coisa é certa: vai valer a pena esperar até 2014.

[Por:Moto.Com.br]

A marca chinesa lança seu novo modelo de scooter de roda grande, o Index 350, para disputar com o Benelli Zen Zero 350

A Keeway apresenta seu novo scooter de roda grande, o Index 350, que chegará nas concessionárias  europeias no início de abril a um preço de 3 490 euros (aproximadamente R$ 8 191) . O modelo é equipado com um monocilíndrico de quatro tempos, refrigeração líquida e injeção eletrônica.

O Index 350 adota um garfo telescópico hidráulico de 35 mm enquanto o traseiro dispõe de um amortecedor duplo hidráulico oscilante. As rodas são 16 e 15 para dianteira e traseira, respectivamente, com pneus 120/70 e 140/70. O sistema de frenagem inclui dois discos de 256 mm. Seu painel é totalmente digital.

Não menos importante, o Index possui tomada 12 volts útil para o GPS ou recarregar o celular. A partir do próximo mês, a empresa chinesa comercializará o modelo nas cores branco e cinza pérola.

[Por:Motociclismo Online]

Benelli ZenZero 350 2012

O novo scooter da Benelli, o ZenZero 350, chegará ao mercado europeu no início de abril e custará 3 590 euros, aproximadamente R$ 8 190

A Benelli apresentou no mercado europeu o scooter ZenZero 350. O modelo vem dotado de um monocilíndrico com um deslocamento de 313 cm³ ostentando 21 cv a 7 000 rpm e torque máximo de 23,7 Nm a 6 000 rpm. Além deste potente motor, a injeção eletrônica soma em tecnologia garantindo um baixo consumo de combustível.

Calçando este scooter estão pneus de 120/70 na dianteira, enquanto atrás temos um 140/70, ambas com rodas raiadas, que dá um toque de esportividade. Sua frenagem fica por conta de dois discos de 256 mm cada, com uma pinça de dois pistões na frente e um único disco traseiro.

O sistema de suspensão é composto por um garfo de 35 mm e um par de amortecedores oscilante na traseira. No que diz respeito à tecnologia empregada, temos uma instrumentação mista, com tacômetro analógico e um display LCD que incorpora todos os recursos básicos de leitura. A capacidade de seu bagageiro permite guardar dois capacetes.

A chegada do ZenZero 350 ao mercado europeu está prevista para o início de abril com um valor de 3 590 euros, aproximadamente R$ 8 190.

[Por:Motociclismo Online]

 

 

 

Dizer que o segmento de scooters no Brasil é pequeno é exagero. Na verdade, ele quase não existe. Afinal, fora as cubs – modelos com a mesma proposta das scooters, mas com motores bem pequenos – apenas Dafra e Suzuki investem nesse nicho de mercado por aqui, com três modelos no total. O problema é que muitos clientes – e, por consequência, as fabricantes – preferem investir em motos de cilindradas médias, que além de serem práticas nos deslocamentos urbanos, conseguem encarar estradas. A proposta das scooters é puramente citadina, mas oferecem mais conforto, graças à sua posição de dirigir. O piloto vai sentado em vez das motos tradicionais, onde se viaja montado no banco. As normalmente péssimas condições de pavimentação das vias brasileiras certamente ajudam a inibir a popularização das scooters. Rodas pequenas e amortecedores de curso curto não combinam com buracos na pistas.

Na Europa e nos Estados Unidos, existe uma oferta bem maior de modelos. Na Honda, por exemplo, são quatro modelos com desenhos bem distintos. Na Yamaha são cinco. Até a BMW, marca conhecida por suas big trails e esportivas, conta com dois modelos próprios. Só na Europa, no ano passado, foram vendidas mais de 30 mil scooters – um número bem significativo.

E, no Brasil, a despeito de fazerem parte de um mesmo segmento, as representantes de Dafra e Suzuki tem posições mercadológicas bem distintas, claramente exemplificadas nas etiquetas de preço. Na Dafra, a Citycom 300i custa R$ 13.490. Ou seja, o mesmo preço de uma moto tradicional de baixa cilindrada, como a Honda CB 300R. Por isso, a abrangência e interesse da Citycom é interessante. Em 2011, foram comercializadas 2.142 unidades da scooter. Uma média de 178 exemplares por mês.

Na Suzuki, existem duas motorizações diferentes para a Burgman e, portanto, duas outras propostas. A Burgman 400 tem preço de R$ 26.900, o que a aproxima de nakeds e esportivas da mesma cilindrada. Entretanto, o desempenho de mercado é bem fraco. Apenas 241 foram emplacadas em 2011. No caso da Burgman 650 a história é ainda mais complicada. Comercializada por altos R$ 37.900, ela teve apenas 125 unidades vendidas no ano passado. Uma média de 10 por mês.

Mecanicamente, as três solitárias integrantes do segmento de scooters se diferem conforme a sua função de mercado. Feita em parceria com a chinesa SYM, a Dafra Citycom é equipada com um motor de 263 cm³ com 23 cv a 7.500 rotações e 2,4 kgfm de torque disponíveis a 5.500 rpm. A Burgman 400 recebe um propulsor de 400 cm³, 34 cv e 3,7 kgfm de torque. Já o modelo topo de linha agrega um pouco de esportividade graças ao bloco de 638 cm³ que gera 55 cv e 6,32 kgfm.

No visual, elas são até parecidas. As três têm linhas bem retas, dianteira “chapada” e traseira alta. Citycom e Burgman 400 também possuem faróis semelhantes, finos e que sobem na direção do para-brisa. O modelo topo de linha da Suzuki exibe um visual mais sóbrio e moderno, com linhas um pouco mais redondas, o que ajuda a passar um pouquinho mais de sofisticação.

[Por:Motor Dream]

Honda: Click 125i e Integra

Marca investe na categoria dos scooter e prepara vendas na Tailândia e na Europa, a partir de fevereiro; modelos misturam esportividade, conceito de moto e scooter ao mesmo tempo

De acordo com a fabricante, o Integra será oferecido ao mercado europeu com um motor de 670 cm³, com dois cilindros em V e 52 cv de potência. O scooter ainda é equipado com duas embreagens e seis marchas, que podem ser trocadas manualmente ou no sistema manual.  Com freios ABS, o Integra tem média de 27 km/l como consumo. Segundo a Honda, a comercialização será nas cores preta, vermelha, azul e branca e o scooter custará 8.599 euros (aproximadamente R$ 19 432).

Ainda no segmento dos scooter, a marca japonesa divulgou que pretende vender o Click 125i na Tailândia. Esportivo, o modelo é baseado na versão 110 cc da Click. Como principal novidade, o 125i é o primeiro modelo da Honda equipado com a tecnologia eSP (enhanced Smart Power), cujos motores com refrigeração líquida possuem uma queima mais eficiente, o que ajuda na economia e na emissão de poluentes.

A esportividade fica por conta das linhas mais agressivas. O preço de venda na Tailândia ainda não foi divulgado, mas a Honda afirma

[Por:Motociclismo Online]

O scooter Lead 110 já contabiliza mais de 51 mil unidades comercializadas desde o seu lançamento, em 2009. Agora, o modelo 2012 já está nas concessionárias Honda com as novas cores cinza metálica, preto fosco e verde metálica.

O Lead 110 vem equipado com motor de 108 cm³, OHC (Over Head Camshaft), monocilíndrico, quatro tempos, com duas válvulas e arrefecido a líquido. O modelo é alimentado por injeção eletrônica de combustível PGM-FI (Programmed Fuel Injection), gerando potência de 9,2 cv a 7.500 rpm, e torque de 0,97 kgf.m a 6.000 rpm.

Com estilo urbano, Lead 110 tem câmbio automático (CVT V-Matic) e possui o porte ideal para o uso diário, com porta-capacete sob o banco e bagageiro traseiro em alumínio, que pode acomodar um bauleto. O tanque de combustível tem capacidade para 6,5 litros.

O Lead 110 está disponível nas cores preta fosco, vermelha metálica, cinza metálica e verde metálica, com preço público sugerido de R$ 5.690, com base no Estado de São Paulo, e sem despesas com frete e seguro.

[Por:Moto.Com.br]

 

« Previous Page« Previous Entries  Next Entries »Next Page »