Crise mundial no final de 2008, problemas de fluxo de caixa, desentendimentos entre os sócios, além de alguns atritos com o fornecedor chinês. Estes foram os principais fatores que levaram a Sundown Motos ladeira a baixo. De terceira força do setor de duas rodas, a marca despencou para o quinto lugar no market share do segmento, com 0,90% de participação.

Em 2010, a Sundown vendeu apenas 16.259 unidades. Neste período quem ganhou mercado foi a Suzuki (3,09%) e a Dafra (2,77%). Em ritmo de crescimento, a Kasinski também incomoda, e muito. No balanço do ano teve 14.439 motos emplacadas, o que representa 0,80% de participação de mercado.

O processo de reestruturação societária na qual a companhia se submeteu ao longo dos últimos meses registrou importantes desdobramentos nesta virada de ano. As empresas ESB (Edilson Binotto) e Phenix (Fernando Buffa) concluíram o processo de aquisição das ações do Fundo de participações Tophill e conjuntamente passaram a deter 78,28% do capital da Brasil & Movimento (detentora das marcas Sundown Motos e Sundown Bikes), tornando-se, desta forma, os novos controladores da empresa. A Holding Airumã com 14, 77% e a empresa SWN com 6,95% completam a sociedade.

Como Fernando Buffa, novo presidente da marca estava em viagem ao exterior, conversamos com Rodney Teruel Carvalho, diretor Comercial e de Marketing da Sundown Motos. Segundo a assessoria de imprensa da marca, o novo presidente da montadora deve convocar os jornalistas para uma coletiva de imprensa que deve acontecer ainda em maio.

INFOMOTO – A Sundown já foi a terceira força do mercado de duas rodas. O que a empresa pretende fazer para voltar a ocupar este posto?

Rodney Teruel Carvalho – Várias ações estão sendo tomadas. Gostaria de destacar algumas como, por exemplo, o fortalecimento da atual rede de concessionários, o credenciamento de novos concessionários, lançamentos de produtos com alta qualidade e tecnologia e ações de marketing que visão demonstrar os novos valores da “marca” perante aos clientes e fornecedores.

Haverá uma completa reformulação na linha de produtos?

RC – Não, pois manteremos todos nossos atuais produtos em linha, uma vez que, os modelos possuem plena maturidade técnica e grande aceitação comercial. Reforçaremos nosso portfólio com novos produtos que atenderão outros nichos de mercado, ampliando significativamente a atuação da marca Sundown no segmento de duas rodas.

A Sundown terá novos fornecedores chineses, além da Qingqi?

RC – A Sundown já possui novos fornecedores chineses, porém, vale ressaltar que todos os produtos Sundown são desenvolvidos e aprimorados por engenheiros da própria Sundown, o que nos permite dizer que nossos produtos são brasileiros como você.

Nesta nova fase, a Sundown manterá o centro de desenvolvimento de produtos na China?

RC – Sim, nesta nova fase a Sundown priorizará a prestação de Serviços (Pós-Venda), inovações tecnológicas e design, para isso o centro de desenvolvimento de produtos da Sundown na China torna-se fundamental.

Quantas revendas a Sundown têm hoje? E quantas quer ter a médio/longo prazo?

RC – A Sundown possui hoje 180 pontos de atendimento e terá ao final de 2012 mais de 300 pontos.

Como será a participação da Sundown no Salão Duas Rodas deste ano, que acontece em outubro?

RC – Será nosso maior investimento em marketing no ano de 2011, este Salão Duas Rodas será muito especial para a “Nova Sundown”, estaremos em uma área de aproximadamente 1.000 m2, o que significará a maior participação da Sundown em sua história de eventos.

[Por:Moto.Com.br]

Foto ilustrativa

Depois do péssimo resultado em 2009, o mercado de motos comemora o aumento nas vendas neste ano. De janeiro a julho foram emplacadas 979.113 unidades – 7,66% a mais do que no mesmo período do ano passado. O montante acumulado nos sete meses de 2010 confirma a previsão de crescimento feita pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). De acordo com a entidade, o setor de duas rodas deve fechar este ano com mais de 1,7 milhão de unidades emplacadas.

A participação de cada montadora no mercado continua inalterada. A Honda manteve-se na liderança com 77,51% das motos emplacadas até julho. A Yamaha manteve o segundo lugar com 11,51% de market share. A briga mesmo está pela terceira posição: Suzuki e Dafra detém 3,55% e 2,87% do mercado, respectivamente.

As mais vendidas

O ranking das motocicletas mais vendidas, com base nos dados do Denatran, reflete a liderança da japonesa Honda. A street CG 150 encabeça a lista com 225.917 unidades vendidas. Em segundo aparece a CG 125 (221.895) e, em terceiro, a trail Honda NXR 150 Bros Mix com 103.092 unidades. Outra Honda, a CUB Biz 125, ocupa a quarta posição com 102.995. Para quebrar a hegemonia, porém bem atrás, em quinto lugar aparece a Yamaha YBR 125 Factor com 66.328 unidades vendidas. Honda CB 300R, Honda Pop 100, Yamaha Fazer 250, Suzuki Yes EN 125 e Honda XRE 300 completam a lista das dez motos mais vendidas no Brasil.

Um raio-x de cada segmento do mercado revela algumas novidades. No segmento Maxtrail, a Yamaha XT 660R continua sendo a mais vendida (1.094 unidades até julho), porém a BMW G 650GS, montada em Manaus pela Dafra, já assumiu a segunda posição. O modelo, o primeiro da marca alemã montado fora da Europa, começou a ser vendido neste ano e já soma 576 unidades emplacadas até o final de julho. A BMW previa vender 1.000 G 650GS em 2010, mas já revê as projeções. Há grande procura pelo modelo e até fila de espera nas concessionárias.

Outra marca recém chegada ao mercado e que vem surpreendendo é a Kawasaki. Com diversos lançamentos em 2010 e apenas 34 pontos de venda, a “Kawa” já lidera o segmento Sport com a Ninja 250R. A “Ninjinha”, que tem motor de dois cilindros e 250cc, vendeu 2.655 unidades nos sete primeiros meses de 2010.

Outra moto da fábrica de Akashi faz bonito no segmento naked: a Z 750 ocupa a segunda posição com 1.058 unidades emplacadas. Perde apenas para a campeã absoluta Honda CB 600F Hornet (3.267), mas deixou para trás a novidade Yamaha XJ6N (928) lançada neste ano.

Ranking dos modelos de motocicletas mais vendidas de janeiro a julho de 2010:

Marca/Modelo   Total
1) Honda CG 150 Titan  225.917
2) Honda GC 125   221.895
3) Honda NXR 150 Bros  103.092
4) Honda Biz 125 1  02.995
5) Yamaha YBR 125 Factor 66.328
6) Honda CB 300R   44.920
7) Honda Pop 100   28.092
8 ) Yamaha YS 250 Fazer  18.113
9) Suzuki Yes EN 125  15.768
10) Honda XRE 300  15.156
11) Yamaha XTZ 125  10.679
12) Dafra Speed 150  10.570
13) Honda Lead 110  9.519
14) Suzuki AN 125 Burgman 8.575
15) Suzuki Intruder 125  6.074
16) Dafra Zig 100   4.939
17) Sundown Web 100  4.556
18) Yamaha Crypton T115  4.364
19) Dafra Kansas 150  4.257
20) Yamaha Neo AT115  4.206

[Por:Moto.com.br]

Sundown Motard: Uma 125cc estilosa

Sundown Motard

Quando foi lançada em 2007 a Sundown STX 200 Motard causou uma grande euforia no mercado. Afinal o modelo foi a primeira motocicleta supermotard original de fábrica a ser vendida no Brasil. Antes dela quem gostava do estilo tinha que se contentar em comprar uma moto trail e transformar o modelo. Com o sucesso da categoria, o mercado cresceu e as outras fábricas entraram na onda das supermotards. A Yamaha lançou a XTZ 250 X e a XTZ 125 X, a Kawasaki lançou a D-Tracker X 250, só para citar os modelos de baixa cilindrada.

Porém, com a entrada em vigor do Promot 3 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares) em 2009, a Sundown teve que fazer adaptações em sua pioneira supermotard de 200cc. No Salão Duas Rodas 2009, em outubro do ano passado, a marca apresentou uma supermotard 125 cc, aposentando o modelo de 200cc, mas não o carburador. Porém os principais diferenciais e qualidades da linha continuam no novo modelo agora chamado somente de Motard 125.

Assim como no modelo anterior a nova Sundown 125 é vendida em apenas uma versão, bastante completa. São itens de série o freio a disco na dianteira e a partida elétrica. As cores disponíveis também são iguais, preta ou prata. Com preço sugerido de R$ 7.240 o novo modelo também ficou mais acessível – o modelo de 200 cc custava cerca de R$ 9.000.

Estilo Supermotard

O estilo supermotard ou supermoto nasceu nos anos 70 em uma corrida que continha trechos de asfalto e terra. Os modelos mais usados era motocicletas de motocross com pneus de rua e rodas com aro de 17 polegadas. Com essa configuração e ajustes nas suspensões eram possível fazer curvas no asfalto com extrema rapidez. Não demorou muito para que o “motard” chegasse às ruas. Com suspensões de longo curso é possível absorver buracos e valetas das ruas. Já e pneus street garantem para tração máxima no asfalto e uma melhor inclinação em curvas.

Sundown Motard

Qualidades também presentes na nova Sundown Motard 125. Equipada com aros de 17 polegadas em alumínio pintados de preto. A suspensão dianteira é do tipo invertida (upside-down) com 190 mm de curso, já na traseira o sistema é balança monoamortecida, com os mesmos 190 mm de curso. Números que ajudam na absorção de impactos, tanto passando rápido por um buraco ou lentamente por uma lombada. Mostrando também que sua origem trail não foi deixada de lado. O disco de freio dianteiro é do tipo “wave” e o flexível é revestido com malha de aço “aeroquip”. Melhorando tanto o visual quanto o poder de frenagem.

O visual que sempre foi o ponto forte do modelo permanece inalterado, até mesmo a lanterna de LED continua no modelo 125. O painel é o mesmo do modelo antigo herdando conta giros, um diferencial para a categoria 125cc, mas também a fraca iluminação e falta de um marcador de combustível.

Ciclística e motor

As qualidades ciclísticas foram diretamente “aproveitadas” do modelo 200 cc. A nova moto contorna curvas com facilidade, e consegue driblar o trânsito sem grandes dificuldades. Contudo não se pode dizer o mesmo do motor. O modelo anterior (200 cc) tinha 16,7 cv a 8000 rpm e 1,45 kgfm a 7000 rpm.  No modelo 125 a potência é de 10,8 cv a 9.500 rpm e 0,86 kgfm a 7.000 rpm. Como boa parte do conjunto permaneceu inalterada seu peso de 118 kg juntamente com o novo motor deixa as arrancadas e retomadas comedidas, para não dizer lentas.

painel da Sundown Motard

Destinado para quem quer um visual diferente na ampla categoria 125cc, a Motard 125 tem diferenciais e estilo para se destacar dentro da cidade. No percurso urbano é que as suspensões altas e os pneus street garantem a agilidade de uma Supermoto com o consumo de uma 125.

FICHA TÉCNICA:
Motor: Monocilíndrico, OHC, refrigeração a ar, 4 tempos
Capacidade cúbica: 124,5 cm³
Potência máxima: 10,87 cv a 9.500 rpm
Torque máximo: 0,86 kgf.m a 7.000 rpm
Alimentação: Carburador
Capacidade do tanque: 10,6 litros
Câmbio: Cinco marchas com embreagem multidiscos banhados em óleo
Transmissão final: por corrente
Suspensão dianteira: garfo telescópico invertido com 190 mm de curso
Suspensão traseira: Balança monoamortecida com 190 mm de curso
Freio dianteiro: Disco de 241 mm de diâmetro com pinças de dois pistões
Freio traseiro: Tambor de 130 mm de diâmetro
Chassi: Berço duplo
Dimensões (C x L x A): 2.060 mm x 830 mm x 1.110 mm
Altura do assento: N.D
Altura mínima do solo: 210 mm
Entre-eixos: 1.400 mm
Peso seco: 118 kg
Cores: Prata ou Preta
Preço público sugerido: R$ 7.240,00

FOTOS: Gustavo Epifanio

[Por:Moto.com.br]

Motocicletas da marca estão equipadas com propulsor de 125 cm³

SundownSTX_125_

Para adequar-se às novas regras de emissões de poluentes do Promot3 (Programa de Controle do Ar por Motociclos e Veículos Similares), a Sundown acabou diminuindo o tamanho de seus propulsores para as linhas STX e Motard. Deixando o antigo motor 200 cm³ para trás, a marca passa a utilizar o propulsor de 125 cm³ nas motocicletas. De acordo com a Sundown, a mudança deixou as máquinas mais compactas, leves e econômicas.

Este OHC 125 cm³ é capaz de gerar 10,87 cv de potência e 0,86 kgfm máximo de torque, respectivamente a 9 500 rpm e 7 000 rpm. O sistema de alimentação fica a cargo de um carburador de corpo simples, acionamento mecânico e abertura de 22 mm. Já o câmbio de cinco velocidades e transmissão final por corrente também foi reescalonado para o novo motor.

O preço sugerido das motocicletas é de R$ 6 450 (STX 125) e R$ 7 100 (Motard).

Rafael Miotto

Imagens divulgação

[Por:Motociclismo online]

stx

Você saberia dizer o que a Dafra e a Sundown tem em comum? Ambas utilizam tecnologia chinesa em seus produtos. Além disso, semana passada as duas marcas apresentaram novidades. Na linha Dafra a atração é o novo scooter Smart, com motor de 125 cc injetado, fruto da parceria com Haojue. Já a Sundown lançou sua linha on/off-road – STX e Motard – com motores menores, agora de 125 cc.

smart

Com design arrojado, o Smart é um veículo estritamente urbano que está equipado com motor monocilíndrico, OHC (comando simples no cabeçote) de 124,6 cm3, que gera 10,3 cv a 8.000 rpm de potencia máxima. O pequeno propulsor conta com um diferencial: cilindro cerâmico, utilizado em motos de alto desempenho. Detalhe: o Smart é o primeiro produto Dafra a adotar sistema de injeção eletrônica de combustível. Para facilitar a vida do condutor, o scooter conta ainda com a comodidade da transmissão automática CVT.

motard

O Dafra Smart 125 traz freio a disco na roda dianteira, completo painel de instrumentos, porta-objetos sob o assento e um “porta-luvas” no anteparo do escudo frontal, como nas tradicionais Vespa e Piaggio. Para completar, o scooter está disponível nas cores preto, grafite, vinho e amarelo e tem 1 ano de garantida. O preço do novo scooter da Dafra ainda não foi definido pelo fabricante.
Já a Sundown Motos apresenta duas opções de entrada da linha STX. A STX e a Motard agora também estão equipadas com o motor de 125 cilindradas. Em ambos os modelos é utilizado novo motor de 125 cm³, que produz 10,87 cv de potência máxima. Já o câmbio de cinco velocidades foi reescalonado para se adequar ao novo motor.

Além de mais econômico, o novo propulsor está de acordo com a nova legislação de emissão de poluentes (Promot 3) que entrou em vigor em janeiro. Já o entre-eixos é o mesmo das versões de 200 cc, que continuam no lineup da Sundown.

Os dois modelos são equipados com freio a disco e partida elétrica de série, tanque de combustível com capacidade para 10,6 litros, pedais articulados, escapamento com ponteira em aço inox, com protetor antiqueimadura. O painel de instrumentos transmite várias informações ao piloto: velocímetro e conta-giros analógicos, luzes de alerta e hodômetro total.

Nas versões de 125 cc, a altura do assento foi reduzida. A agora a STX conta tem 880 mm e a Motard 830 mm, o que facilita o acesso para pilotos de baixa estatura.

Como diferencial, a Motard está equipada com aros de alumínio de 17 polegadas, pneus com perfil esportivo e suspensão invertida na dianteira. Lançada em 2007, a versão Motard de 200 cc foi a pioneira dentro da nova categoria.

O preço sugerido da STX 125 é de R$ 6.450 e, para a Motard 125, é de R$ 7.100.

Aldo Tizzani

[Por:Moto.com.br]

A Brasil & Movimento, detentora da marca Sundown, oferecerá a partir de janeiro novos cursos gratuitos em seu Centro de Treinamento, localizado junto à sede da empresa em Barueri (SP).

O primeiro trabalho, sobre mecânica da motocicleta, será destinado a profissionais que não atuam na rede de concessionária da marca e que estejam interessados em apreender mais sobre a profissão.

“Nos últimos anos nossa rede de concessionárias vem sentido bastante dificuldade em contratar profissionais para atuarem como mecânicos, e por isso decidimos estender aos interessados a possibilidade de apreenderem mais sobre os produtos em nosso moderno Centro de Treinamento”, declarou Alzeno Lohmann, diretor técnico e industrial da Brasil & Movimento.

Para possibilitar o ingresso de adolescentes no mercado de trabalho, a Sundown ministrará também cursos de mecânica básica de motocicleta para jovens. O objetivo da empresa é apoiar os jovens carentes, tirando-os das ruas e quem sabe, possibilitando que tenham acesso a um primeiro emprego.

“Já temos toda estrutura à disposição, então por que não utilizá-la também para essa ação social? Ao investir nos jovens estamos acreditando no futuro e desempenhando um pouco mais de nosso papel social”, destacou Lohmann.

Os interessados em qualquer um dos cursos devem retirar a ficha cadastral na sede da empresa, situada na Alameda Araguaia, 3.327 em Barueri.

Mais informações, no site centrodetreinamento@sundownnet.com.br ou telefone 2103-4962.

[Por: Moto.com.br]

A divisão de peças multimarcas da Sundown lançou no mercado novos componentes para o segmento de motocicletas.

Por meio da marca GSI, a fabricante oferece dois modelos de baterias 6V e outros dois de 12V. Todas elas são seladas e não necessitam de solução para o funcionamento.

Com a marca KSD, a empresa comercializa kits de relação contendo corrente, coroa e pinhão para atendimento de vários modelos de motos, como a Honda Hornet e a Yamaha XT 660R.

Já com a bandeira da SPM, a Sundown disponibiliza produtos como cilindro mestre para freio dianteiro, esticador de corrente e disco de freio dianteiro; também para diversos modelos.

Por fim, a marca SP-SUN coloca no mercado o painel completo com chicote e lâmpada, além de bobina de ignição.

O Centro de Distribuição de Peças Sundown atende atualmente uma rede de quase 270 concessionárias e mais de dois mil clientes entre varejistas, atacadistas e oficinas.

Mais informações, no site www.sundownnet.com.br.

[Por:Moto.com.br]

« Previous Entries  Next Page »